quarta-feira, 7 de Dezembro de 2011

sexta-feira, 1 de Julho de 2011

1º Jantar do Militante - Homenagem à Margarida e João Rodrigues

No jantar anual do militante teremos a oportunidade de homenagear postumamente dois dos mais marcantes camaradas do concelho de Cascais e em particular do PS Alcabideche.

Simultaneamente serão agraciados os militantes recém-chegados ao nosso Partido e serão distinguidos nas áreas da militância e da comunidade local mais alguns elementos.

Esperamos que possa nos acompanhar neste evento.
...

Na esperança de que todos possam participar escolhemos um local aprazível e com um parque de estacionamento privado e gratuito.

Local: Hotel Estoril 7 (em frente ao Cascais Shooping)
Coordenadas GPS: N 38 44.417 / W 009 23.986

Ementa:

Entradas
Pão, manteiga e azeitonas

Prato (escolha prévia com a inscrição para o jantar)
Bifinhos com cogumelos (com ou sem natas)
Bacalhau com natas

Sobremesas (escolha prévia com a inscrição para o jantar)
Mousse de chocolate
Salada de frutas

Cafés

sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

Boletim nº 4

Já está disponível o quarto número do boletim da secção de Alcabideche.
Pode consultar aqui de forma dinâmica ou abrir o ficheiro em formato pdf através do menu lateral.

sábado, 29 de Janeiro de 2011

Comunicado sobre o investimento do Governo na Escola Secundária Ibn Mucana

Governo investe na requalificação da Escola Secundária Ibn Mucana

O PS Alcabideche congratula-se com o anúncio, feito pelo Sr. Primeiro-ministro, de que a Escola Secundária Ibn Mucana foi uma das 90 escolas seleccionadas pelo Ministério da Educação para integrar a 4.ª fase do Programa de Modernização do Parque Escolar.

O investimento previsto para esta fase aponta para 1.350 milhões de euros, correspondendo a uma intervenção média por escola de 15 milhões de euros.

Este investimento do Governo vai permitir que os estudantes da freguesia de Alcabideche beneficiem de uma escola mais moderna e melhor equipada, ao nível das melhores escolas do país e da Europa ocidental.

É de salientar que, no concelho de Cascais, duas escolas integrarão a 4.ª fase do Programa Parque Escolar (a outra é a Escola Secundária de S. João do Estoril), o que é bem revelador da atenção e empenho que o governo liderado pelo Eng.º José Sócrates dedica ao futuro das crianças, jovens e adultos que frequentam as escolas do nosso concelho.

Numa altura em que o dinheiro público deve ser gasto apenas naquilo que é verdadeiramente importante, o Governo do Partido Socialista dá o sinal correcto, no momento adequado: a despesa pública deve ser concentrada nas áreas que capacitem os portugueses e o país para os desafios da sociedade do conhecimento e da competição global.

Desde 2005, que o governo vem desenvolvendo um esforço de investimento sem paralelo na história do nosso país, na renovação dos edifícios escolares e na criação de condições que proporcionem o acesso universal a recursos de ensino e aprendizagem, a todos os alunos, permitindo um ambiente educativo gerador de uma verdadeira igualdade de oportunidades.

O Partido Socialista de Alcabideche faz votos para que o concurso público, anunciado para 2011, decorra com a maior brevidade possível para satisfação das justas aspirações dos pais e alunos da Escola Secundária Ibn Mucana.

PS Alcabideche

quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010

sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

Despesismo no Município de Cascais

Os membros eleitos pelo PS na Assembleia de Freguesia de Alcabideche apresentaram no passado dia 16 de Dezembro, uma moção de repúdio que visa ter um carácter preventivo, contra a passagem da gestão do Complexo Desportivo de Alcabideche para a empresa Municipal Fortaleza de Cascais. A moção foi aprovada com 10 votos a favor (6 do PS, 2 da CDU, 1 BE e 1 CDS) e 9 votos contra (PSD e restantes membros do CDS).
Conscientes que a multiplicação de Empresas e Agências Municipais que se tem verificado desde 2005 é da responsabilidade da actual maioria que governa a autarquia (PSD/CDS), constatamos que hoje este universo totaliza 11 estruturas que nalguns casos implicam atribuições sobrepostas à própria Câmara Municipal (nos últimos anos a coligação PSD/CDS acrescentaram 8 empresas e agências ao universo Empresarial do Município de Cascais).
O alerta lançado na moção de repúdio, pretende acautelar os interesses dos fregueses de Alcabideche e utentes do Complexo e visa no essencial impedir o que muitos já dão por certo, a denúncia do contrato de gestão do Complexo Desportivo e das Piscinas Municipais de Alcabideche, que por ora é da responsabilidade da Junta de Freguesia.
O que receamos ganhou expressão com a transição da gestão das Piscinas Municipais da Abóboda para a Fortaleza de Cascais E.M., em prejuízo da gestão de proximidade das estruturas de poder local.
O processo pouco transparente que levou à passagem da gestão das piscinas da Abóboda para a Empresa Municipal Fortaleza de Cascais baseou-se na aquisição de um estudo de viabilidade para a criação de uma empresa municipal para a gestão de equipamentos desportivos, adjudicado à empresa BDO. O ajuste directo para a celebração deste estudo é datado de 06 de Abril de 2010, mas o relatório já estava pronto há mais de um mês (03-03-2010). Custo do estudo 7.500,00€.
Fonte: http://www.base.gov.pt/
Existe ainda um outro ajuste directo para a aquisição de um estudo de viabilidade sobre a criação de uma empresa municipal para a gestão de equipamentos desportivos, adjudicado à empresa STA INS Estudos e Projectos de Instalações Especiais Lda. Celebrado o contrato 06 de Abril de 2010, o relatório é até à data desconhecido. Custo de 18.000,00€.
Fonte: http://www.base.gov.pt/

Outra questão que nos preocupa é que subitamente os custos de funcionamento da estrutura orgânica da Fortaleza de Cascais dispararam e são muitíssimos elevados quer ao nível dos salários, quer ao nível de outros encargos.
Parece que o Concelho de Cascais é um oásis neste panorama de crise económica e financeira, senão vejamos alguns dos valores que nos preocupam:
· Administração custa 140.055,16€/Ano;
· 1 Consultor financeiro 13.310,05/Ano;
· 1 Consultor jurídico 18.150,00/Ano;
· Subsídio de refeição - 7,50€/dia – enquanto na Função Pública é 4,27€/dia;
· 1 Director Técnico – 34.225,71/Ano;
· 2 Viaturas a 30.000,00€ cada;
· Cabazes de Natal para funcionários;
· Custos com comunicações móveis – 2.744,81.

Para suportar estes custos a Câmara Municipal reviu a Tabela de Taxas em Agosto de 2010, com aumentos brutais para os utentes das Piscinas da Abóboda, que em média subiram 14%. É este o nosso receio, que os utentes do Complexo Desportivo de Alcabideche tenham que arcar à custa dos seus próprios bolsos a centralização pretendida pelo actual executivo.
A centralização de competências quer na Câmara Municipal, quer em empresas municipais, concorre contra uma necessária política de proximidade com claros prejuízos para os fregueses e utentes. Por isso, a bem dos fregueses de Alcabideche, repudiamos veementemente a ideia de que a gestão do Complexo Desportivo de Alcabideche possa deixar de estar a cargo da Junta de Freguesia de Alcabideche.
Alcabideche, 17 de Dezembro de 2010
PS Alcabideche

quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010

Moção de repúdio apresentada na Assembleia de Freguesia

Moção

Considerando que:
Com as alterações dos estatutos da empresa municipal Fortaleza de Cascais, e aumento do capital estatutário, aprovado na reunião de Câmara de 8 de Março de 2010 e do contrato-programa a celebrar entre o Município de Cascais e a Fortaleza de Cascais, relativamente à gestão das Piscinas Municipais da Abóboda, aprovado na reunião de 11 de Outubro de 2010, a Fortaleza de Cascais para além do seu objecto social de organização de feiras, congressos e outros eventos similares, passa similarmente a ter a gestão de equipamentos desportivos.
A centralização de competências quer na Câmara Municipal, quer em empresas municipais, concorre contra uma necessária política de proximidade com claros prejuízos para os fregueses e utentes.
A “bondade” com que pretendem “usurpar” a gestão de alguns equipamentos desportivos das estruturas de poder local, mais próximas da população, na qual se inclui a Junta de Freguesia de Alcabideche, implicará encargos acrescidos que se repercutirão naquele que será o custo final a aplicar aos utentes.
A aplicação de uma nova estrutura orgânica, à qual acrescem naturalmente os custos imputados ao seu exercício e aos seus quadros dirigentes, colide contra qualquer argumento de melhor gestão e racionalização dos dinheiros públicos.
A manutenção a todo custo da existência de empresas municipais, alterando-lhes o objecto social, colide com o espírito estabelecido no Plano de Coesão, Sustentabilidade e Desenvolvimento (PCSD) aprovado pela autarquia de Cascais
Os subscritores desta moção, à luz dos considerandos acima apresentados deliberam:

· Repudiar veementemente a ideia de que a gestão do Complexo Desportivo de Alcabideche possa deixar de estar a cargo da Junta de Freguesia de Alcabideche;
· Dar conhecimento desta posição de repúdio à CMC e à Assembleia Municipal.

Alcabideche, 16 de Dezembro de 2010
Grupo de Lista do PS Alcabideche

quarta-feira, 8 de Dezembro de 2010

sábado, 4 de Dezembro de 2010

Marcos Perestrello reúne com militantes de Alcabideche, Carcavelos e Parede

Dando cumprimento ao compromisso assumido pelo camarada Marcos Perestrello durante a sua eleição para Presidente da FAUL, realiza-se no próximo dia 7 de Dezembro, 3.ª feira, às 21h30, na nossa Secção, uma reunião geral com os militantes das secções de Alcabideche, Carcavelos e Parede, a fim de se debater o actual momento político.

Contamos com a tua presença!

quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Boletim Nº3

Já está disponível o terceiro número do boletim da secção de Alcabideche.

Aqui ficam as imagens, mas também podem consultar o ficheiro em formato pdf através do menu lateral.


quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

Tomada de posição sobre a alteração ao objecto social da Empresa Municipal Fortaleza de Cascais.

Relativamente à alteração do objecto social da Empresa Municipal Fortaleza de Cascais, o PS Alcabideche faz saber que:

  • É contra o proliferar de empresas e agências municipais a que se tem assistido em Cascais (PSD e CDS criaram até ao momento 3 Empresas Municipais e 4 Agências Municipais):
    Empresas Municipais –EMAC em 2005, Fortaleza de Cascais em 2005 e ARCASCAIS em 2005;
    Agências Municipais – Cascais Natura, Cascais Energia, DNA e Cascais Atlântico em 2007.
  • É contra as alterações ao objecto social da empresa municipal Fortaleza de Cascais, só para manter a sua existência, consubstanciada em pareceres e estudos encomendados (o relatório do estudo é de 3 de Março e a data de publicação da adjudicação directa do mesmo é de 6 de Abril, mais de um mês depois);
  • É manifestamente contra o assumir dos encargos acrescidos resultantes desta medida por parte dos utentes do Complexo Desportivo de Alcabideche;
  • Rejeita que no resultado de uma opção política de centralização de competências numa Empresa Municipal, a partir da qual a prestação de contas aos directamente interessados se torna mais difícil, se acabe por gerar maior despesa suportada por dinheiro dos contribuintes, ainda por mais quando vivemos uma época em que é premente ter uma manifesta contenção e indo simultaneamente contra o espírito estabelecido no Plano de Coesão, Sustentabilidade e Desenvolvimento (PCSD) aprovado pela autarquia de Cascais.

Pode visualizar a totalidade da tomada de posição se clicar aqui.

quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

As Eleições Autárquicas em Cascais de 2001 e 2005

Decorreu no passado dia 27 de Outubro, na Secção de Alcabideche, um debate promovido pelo Clube de Reflexão A Linha, que teve como tema as Eleições Autárquicas em Cascais de 2001 e 2005. Moderado pelo Camarada António Miranda, o presente debate contou com as presenças do Camarada Fernando Arrobas da Silva, candidato à Presidência da Câmara Municipal de Cascais em 2005, do Camarada Germano de Sousa, presidente da Assembleia Municipal de Cascais no 2.ª Mandato de José Luís Judas e candidato à Presidência da Assembleia Municipal em 2005, e do Camarada Umberto Pacheco, Presidente da Comissão Política Concelhia de Cascais em 2001 e 2005.

O Camarada José Lamego foi convidado pela Linha a estar presente neste debate, tendo declinado o convite por se encontrar afastado das questões autárquicas e mesmo da vida política. No entanto, sublinhou a importância da presente iniciativa e desejou as maiores felicidades ao Clube A Linha.

António Miranda, sublinhou a importância das próximas eleições autárquicas para o Partido Socialista e recordou os debates que A Linha tem realizado em torno deste tema. Contudo, para preparar o futuro, referiu que importa conhecer o passado, de modo a evitar erros cometidos e aprofundar a reflexão com a participação de todos, recordando os presentes que já passou um ano desde as últimas eleições autárquicas realizadas em 11 de Outubro de 2009.

“Entendemos ser este o momento adequado para falar do passado de forma desapaixonada. Analisar todo o processo e comparar as campanhas, reconhecendo os erros cometidos se for o caso. Mais do que assacar culpas ou pedir explicações, importa deixar pistas para o futuro”, sublinhou António Miranda.

Umberto Pacheco iniciou a sua intervenção referindo que o Partido Socialista em Cascais terá de ter uma estratégia definida ao longo do tempo, identificando cinco eixos sobre os quais se deve estruturar uma campanha: o perfil do candidato, a escolha das equipas, o programa eleitoral, a equipa envolvida na campanha eleitoral, a que chamou de “exército”, e a logística a proporcionar pelas estruturas do Partido.
Ao analisar as campanhas eleitorais de 2001 e 2005, destacou as circunstâncias políticas específicas em que estas se realizaram e os perfis dos candidatos à Câmara, que eram muito distintos um do outro, sublinhando como a maior fragilidade das campanhas a questão organizacional. Apesar de uma melhor preparação na campanha de 2005, a falta de motivação do tal “exército”, a par com a falta de recursos para a campanha contribuíram para os resultados finais.
O Camarada Umberto Pacheco sublinhou ainda que cada uma destas dimensões carece de um trabalho específico e dedicado, que continua a tardar. Com efeito, a criação de uma estratégia de intervenção política nas freguesias é possível, sobretudo por via de uma relação estreita com o eleitorado, destacando como exemplo o trabalho realizado por José Luís Judas durante as eleições autárquicas que lhe valeu a vitória em Cascais.

Por fim, recordou que notoriedade não é sinónimo de credibilidade para o eleitorado, e nem sempre a escolha de um candidato feita apenas tendo em atenção esta dimensão é bem sucedida, muito pelo contrário.

Por seu turno, o Camarada Fernando Arrobas da Silva, começou por reconhecer que a imagem que ainda persiste é a de um candidato ‘sozinho’, expressando que mesmo em circunstâncias diferentes, ‘a derrota é igual’. Arrobas da Silva identificou pequenas diferenças nas recentes campanhas, mencionando que pouco se aprendeu e pouco conhecimento e experiência se retirou das eleições anteriores.

Referiu ainda que o Partido Socialista é o maior partido político português e que em condições normais ganharia as eleições autárquicas e é por isso que se mantém esta coligação entre o PSD e o CDS. Apesar da reduzida dimensão nacional, o CDS em Cascais continua a ter uma importante base de apoio eleitoral. Neste sentido, defende que o PS deverá no futuro estabelecer uma coligação pré-eleitoral com o PCP.

Arrobas da Silva, fez ainda um balanço do seu mandato enquanto Vereador, deixando duras críticas ao executivo da coligação PSD/CDS.

Finalmente, o Camarada Germano de Sousa fez referência à importância da constituição das listas. O modo como estas são constituídas é um factor fundamental para o sucesso das eleições. “Importa abrir as listas a pessoas fora do Partido” sublinhou. Chamou ainda a atenção para o programa eleitoral, o qual tem de ser feito atempadamente e com o envolvimento das forças vivas de Cascais.

Mais referiu que urge pensar numa campanha em regime de continuidade, acompanhando esta a estratégia política do partido, tendo ainda de lhe estar associada uma estratégia eleitoral.

O Camarada Germano de Sousa acrescentou que sobre o candidato, “este deve ser escolhido hoje, para começar a trabalhar em Cascais já amanhã”. O candidato tem de conhecer Cascais, viver Cascais, de modo a provar que está preparado e que é capaz de fazer melhor em Cascais do que a actual coligação. Para tal, importa ter presente o papel fundamental que a comunicação social desempenha, devendo esta ser substancialmente melhorada.
Após as intervenções, foi aberto um espaço de debate, onde foi possível aos presentes colocarem questões aos convidados, nomeadamente questões como a, tendo ainda a Juventude Socialista deixado a sua preocupação com a falta de articulação e colaboração entre secções.
A estas intervenções seguiu-se um participado debate. Entre as questões abordadas foi dado especial enfoque nomeadamente à elevada taxa de abstenção no Concelho de Cascais, à falta de articulação e colaboração entre as estruturas políticas locais e a definição estratégica e consequente implementação que tarda em acontecer.
Texto retirado do blog da "Linha - Clube de Reflexão Política".